20 de jun de 2011

Que seja...

Fabio Hernandez


E então terminou assim.
Você não cuidou de mim e me perdeu.
Espero que me perder não doa em você. Tenho a impressão de que não dói, exceto por alguma coisa localizada nas proximidades do orgulho e do amor próprio.
Coloquemos assim. Que doa o menos possível.
Você refez sua vida, e eu a minha. É sempre isso, não é?
Qual o ponto em fingirmos que é possível ressuscitar um sentimento morto, uma esperança que se perdeu gota a gota no decorrer dos dias em que estivemos juntos?
Amor já não posso dar. Amizade, não quero dar. Uma vez escrevi que é melhor que seja nada, e não pouco, o que anteriormente foi tudo.
E no entanto numa improvável emergência, e só nessa situação, você sabe que farei o possível para ajudar.
Meus planos já estão em outra direção, e os seus imagino também. Minha semente brotará em outro destino, e já não há nada que possamos fazer em relação a isso.
Aprendemos algumas coisas um com o outro.
Fiquemos com isso, que não é pouco.



Nenhum comentário: